Voltar 

Café da Cristina no povo de cima, junto à escola

Estabelecimento de posição estratégica para o povo mais de cima, para os diversos profissionais da escola primária, e pacientes que procuram os serviços da
clínica ao lado, ora para consulta ou então para realização de análises clínicas.
Café já mais intelectualizado, mas com a frescura e sabor do ambiente familiar da aldeia.
Também aqui aos Domingos e dias de festa há vitalidade, ânimo, alegria. Sobretudo o desejo, daqueles mais dotados e desinibidos para os cantares e anedotas, mostrarem os seus talentos para o público assistente presente no estabelecimento.
Sessões de espectáculo improvisado que seduzem todos, e correspondem a verdadeiros teatros
 
 artesanais. Aquele que vem da cidade e habituado a assistir no palco os artistas de teatro profissionais, de certeza que ficam espantados com todo este talento espontâneo.
Aqueles que estudam, ou estão no ramo intelectual, aproveitam o lazer do local, para os seus trabalhos na informática. Ao seu redor, a pequenada escolar muito atenta, espreita com os olhos bem abertos, todos os pormenores que o ecran do computador portátil vai assinalando, e de certeza a sonharem pelo dia que possam vir a ser contemplados com um "brinquedo" destes.
 
Os mais pacatos, abstractos ao ambiente que se vive em redor, optam pelo jogo das cartas.

As mulheres, aproveitam para observar todo o ambiente envolvente, e "pôr" a conversa em dia.

Lá fora, o frio é imenso, o céu está cinzento coberto de nuvens, e o sol está escondido há já alguns dias.
No interior do estabelecimento o calor é muito: a imensidão de gente e o fogareiro a queimar lenha, dão bom ambiente e bem estar a todos.
 
Os espectadores olham muito atentos em pormenor a todos os detalhes dos acontecimentos que se vão passando ao longo do dia.

Riem, participam, aplaudem e dão o seu ânimo aos representadores, ou então por detrás dos jogadores de cartas, vão observando qual será o presumível vencedor na jogada da "sueca".

São velhos e novos, todos em igualdade, todos de rostos felizes.
 
Mas, para que os talentos se sobressaiam, e a vitalidade de todo o ambiente envolvente seja positiva, a cerveja, os sumos e cafés têm de estar constantemente a ser consumidos por todo este público.

E aqui vemos à direita e à esquerda, a patroa do Café, "a Cristina" com a sua ajudante, a correrem constantemente, para esta ou aquela mesa, ou então para o balcão, a satisfazerem os pedidos dos vários clientes.
 
O espectáculo vai persistindo ao longo da tarde, e ao anoitecer, chegam os acordeonistas a tocar e cantar à desgarrada.
Espectáculo...
Num simples café de aldeia, como se desenrola o filme duma tarde de Inverno...
De certo, que o cliente citadino já referido em cima, vai trocar efectivamente, o espectáculo de revista realizado por profissionais, pela espontaneidade e talento desta nossa população Beirã, cheia de talentos e digna de ser retratada e filmada para um
 espectáculo televisivo.
Finalmente, antes de todos recolherem para casa, alguns, já com o ar hipnotizado que vemos à esquerda, bebem o último copo para saírem confortáveis, e mais outros à direita estão na ocasião mais favorável para concretizar algum negócio, ou discutir o tema da actualidade.
 

Lindas e saudáveis as horas de lazer na aldeia...

 
     

  Voltar