Voltar 

 A obra

 
Para admiração de todos logo no início de 2002 surge no espaço, já conhecido "O aeródromo", um autêntico arsenal de camiões, rectro-escavadoras,

guindastes, que pelo aspecto e rapidez de colocação mais parecia uma coluna militar a tomar posições.

Durante 1 ano e meio todo aquele terreno agreste de irregularidades e desnivelamentos foi alinhado. Das pedreiras foram transportadas toneladas e toneladas de pedra e gravilha para assentamento sobre a pista. Depois a aplicação em camada grossa de betume betuminoso e finalmente a sinalização.

Houve apoio técnico dos serviços de aeronáutica e meteorologia, e a obra ganhou dimensão. Os cépticos passaram a acreditar-se num projecto que na verdade

podia ter viabilidade.
Toda a população local passou a acompanhar diariamente o progresso de evolução da obra, e para muitos começou já a ser um sonho para algumas das aplicações que tal aeródromo possa vir a ter, nomeadamente estaleiro de aeronaves durante o verão para combate a incêndios, já que a localização de tal projecto está mesmo em zona idealizada de pleno planalto beirão onde os quilómetros circundantes são de alto riso de incêndio durante a época de verão.
Todo o contorno de aspecto e embelezamento que tal obra foi adquirindo, continuou sob a jurisdição da Junta de Freguesia de Macieira, que até aqui conseguiu autonomia plena de encargos.
Entretanto logo na altura do projecto concorreu a subsídio a fundo perdido à Comunidade Europeia, para conseguir terminar a obra no tempo anunciado. Não foi difícil receber uma boa fatia de ajuda comunitária, visto que a localização de tal aeródromo contemplava uma boa circunscrição de centenas de Quilómetros de pinheiros, matos e vegetação de risco de incêndio, e Macieira era uma zona estratégica ideal, ainda mais que, os aviões contra incêndios que poderiam pernoitar no aeródromo, têm na proximidade da Barragem do Vilar, com água em abundância para se abastecerem

As figuras dos lados mostram finalmente a concretização e balizamento da pista do Aeródromo que irá recolher todo o tio de aeronaves de pequenas dimensões, de carácter desportivo, aviões de maior porte para o combate a incêndios e espaço com volumoso tanque de água para os helicópteros também de combate a incêndios.
É de notar na imagem da esquerda a obra de engenharia praticada, onde se evidencia a pista bem recta de 4 km de comprimento e lá mesmo ao fundo uma das pedreiras de Macieira de deu vida e financiou este projecto aventureiro, ambicioso, e que de certo vai ter ter não só uma posição logística importantíssima para a zona, como também será mais um ponto e um espaço para novas actividades recreativas e até mesmo de interesses económicos para toda a zona da Beira interior.

Um particularidade deste aeródromo é que, pelo enorme comprimento que possui está apto a receber aeronaves de grande calibre, ou mesmo alguma que tenha de efectuar alguma aterragem de emergência.

 

  Voltar